Os comportamentos mais buscados pelos Recrutadores

Os comportamentos mais buscados pelos Recrutadores

Atualmente, muito se fala sobre o comportamento dos candidatos em entrevistas e as habilidades dos colaboradores nas empresas. Estas dicas servem tanto para quem está em busca, quanto empregado, desejando mudança ou outras necessidades em relação à carreira.

Não existe uma receita, não se trata de mágica ou de uma fórmula para alcançar o sucesso, seja em um processo seletivo ou no dia a dia do trabalho.

Porém, ainda que não haja regra, algumas habilidades são buscadas e as empresas têm tentado montar quadros de talentos se baseando em algumas delas, ou pelo menos na maior parte. Desta forma, isso tudo será avaliado/buscado em uma entrevista.

É muito importante começar alertando para um pecado muito cometido: vender qualidades/conhecimentos que não se tem, encontrar palavras no dicionário, no google ou nas dicas do LinkedIn (muitas vezes dadas por pessoas que pouco conhecem os bastidores do RH e muito menos de Atração & Seleção) e citá-las como se fossem suas. Encontre as próprias capacidades, relembrando que as habilidades que precisou desenvolver, o que foi necessário para exercer determinada atividade ou lidar com alguma situação. Fale de si, não do que está na moda.

Explico: você não conhece gestão de pessoas, nunca liderou e não tem aptidão para se comunicar em Inglês? Parece o óbvio, mas, não diga que tem, não diga que sabe o que não sabe. Mostre-se interessado em aprender, estudar e crescer. Porém, não minta. Muitos clientes me procuram dizendo que viram que eu escrevo que "não ensino a mentir para se dar bem em processos seletivos' e por isso sentiram confiança em me contratar!

A verdade abre portas, apesar de estar em desuso atualmente.

Saiba ser empático e verdadeiramente se colocar no lugar do outro, ouvindo atentamente, contribuindo de forma honesta e ética. Isso somente é possível, primeiro conhecendo a si mesmo, buscando autoconhecimento, portanto.

Não aja com frieza, com soberba, mostrando que sabe mais e que pouco ou quase nada tem a aprender. Saiba dividir vitórias e brilhar menos, em algum momento. Abra mão da necessidade de sempre ser o melhor. 

Seja honesto quanto seus valores, limites e, principalmente, reconheça seus pontos fracos.Demonstre transparência na hora de se comunicar. Para isso, um treino de entrevistas ajuda muito, pois, uma pessoa especializada em comportamento humano vai poder ser o seu espelho e lhe fazer enxergar algumas coisas que ainda não consegue sozinho.

Demonstre, sempre através de exemplos, as habilidades que apresentar. Mostre sua capacidade de tervisão analítica e estratégica e suas motivações em relação às atividades que vai desempenhar e que desempenhou em empresas anteriores, mostrando como alcançou resultados, venceu obstáculos e foi útil para as empresas pelas quais passou. Conte exemplos sobre relacionamento interpessoal e habilidade para resolução de problemas.

O pior erro que uma empresa comete é valorizar o colaborador apenas quando este pede demissão, fazendo a famosa “contraproposta”. Da mesma forma, é péssimo para a imagem de um colaborador ou candidato barganhar usando um processo seletivo como moeda de troca. Vença pela sua capacidade, não por que outra empresa “o deseja”.

Demonstre seu planejamento sobre a própria carreira e sua visão de futuro, sobre a área e mercado nos quais você está inserido. Demonstre de que forma mantem o seu controle emocional e coloca em dia a sua saúde física e mental.

Tenha segurança ao transmitir informações, é melhor não ser escolhido para determinada vaga, mas ser lembrado de forma positiva, do que perder pontos por aparentar estar mentindo ou inventandoum perfil que, na verdade, não corresponde à realidade.

Evite demonstrar ansiedade e urgência em receber respostas, ouça, analise, converse, não atropele a conversa. Para isso, existem técnicas não apenas de comunicação, mas de relaxamento, meditação, terapia e muitas outras formas de vencer e aprender a lidar com o medo e o desespero.

Seja sincero e direto com o Recrutador, mas, jamais mal educado ou impaciente. Cuide para que seu comportamento não passe superficialidade ou pouco conhecimento sobre si mesmo. Quando perguntado, responda com sinceridade. Mostre que conhece profundamente a si mesmo, limitações e pontos fortes. Fale da mesma forma, com a mesma tranquilidade, sobre suas habilidades e sobre o que ainda precisa desenvolver.

Demonstre maturidade, faça perguntas, se mostre interessado. Prepare-se para uma entrevista,conhecendo a empresa, as atividades que desempenhou e sobre as quais terá que falar, sobre si mesmo e conhecimentos em geral, sobre o mundo, economia, política, negócios, finanças. Mostre que se importa com a sociedade a qual faz parte e exerça efetivamente isso no seu dia a dia, demonstrando senso de coletividade.

Faça a sua parte, da melhor forma possível, sabendo que se preparou e que fez tudo o que estava ao seu alcance. A cada entrevista saiba que teve mais uma chance de se conhecer, avaliar posturas, caminhos e formas de expressão. Nunca será em vão!

A jornada em busca de trabalho pode ser dolorida e árdua, mas saiba transformar estes momentos em aprendizado e extrair o melhor deles: autoconhecimento.

Se você estiver preparado, não vai precisar de sorte. 

Sucesso!

_____________________

Luciane Vecchio
Psicóloga Clínica, Master Coach, Consultora de Carreira, Especialista em RH, Orientadora Vocacional, Colunista de Carreira & Comportamento
CRP: 06/74914

Somente são permitidas cópias em que seja respeitada a autoria! 

 

Luciane Vecchio

Luciane Vecchio

Psicóloga, Psicanalista, Coach, Especialista em RH, Consultora de Carreira, Orientadora Vocacional.

[email protected]