Minha chefe quer me queimar junto à diretoria. O que eu faço?

Minha chefe quer me queimar junto à diretoria. O que eu faço?

Minha chefe quer me queimar junto à diretoria. O que faço?
Discuti com minha chefe por questões pessoais e profissionais. Ela criou uma situação para derrubar a confiança que a diretoria tem em mim. É bem provável que ela já tenha me queimado. O que faço agora?”

Resposta:

Que situação desafiadora, hein, pois, nesse caso estamos falando de caráter, ruídos de comunicação, inteligência emocional e relacionamento interpessoal, que vai além do que um simples conflito entre colegas ou uma rivalidade superficial.

A primeira coisa que posso te indicar é tentar tirar toda essa emoção que envolve a história e verificar se suas crenças sobre a situação são reais, realmente há uma “queimação de filme” junto à Diretoria? Você pode estar aumentando o problema?

Infelizmente, o conflito é vendido apenas de maneira negativa, como se ao longo da vida fossemos passar exclusivamente por um mar de rosas, sem problemas ou desafios.
Isso não é a verdade. No fim das contas, aprendemos muito ao sermos colocados em situações assim, bastar agir com sabedoria.

Então, depois de tirar a emoção da história, avaliar os fatos e não os sentimentos, pense se pode conversar abertamente com sua líder sobre isso (se você percebe que ainda há como estabelecer um diálogo) de cabeça fria, negociando e levantando a bandeira da paz.
Vocês podem até usar um mediador, alguém neutro, de confiança, que possa ajudar a levar luz à situação.

Toda situação tem 2 ou mais lados, então, certamente ela tem o dela e você também poderá ouvi-la.

Seguramente, ao longo da trajetória nessa empresa, você mostrou excelentes resultados, teve uma postura ética e parceira, não se envolveu em conluios e fofocas e estabeleceu aliados (e isso não é ruim, não quer dizer que estamos em guerra, mas, que temos pessoas que nos conhecem, entendem o trabalho que fazemos e podem falar por nós quando precisarmos de ajuda) fazendo com que as pessoas conheçam suas habilidades e a importância que você tem para a empresa, que vai além de uma discussão/um desentendimento com uma única pessoa.

Dessa maneira, agora é hora de tentar negociar, estabelecer a paz e usar as boas armas que tem. Não sei sua posição e acesso à diretoria, mas, se tem alguém que você pode conversar, um mentor, alguém que confie, faça uso desse aliado, pedindo ajuda para resolver essa situação, sem falar mal da líder ou qualquer outra coisa, mas, mostrando que está disposta a resolver as coisas, que deve ser, aliás, a sua maior preocupação.

Quando você fala que “discutiu por razões pessoais e profissionais”, já vemos que a relação passou dos limites, não está restrita ao escritório e se desagastou, afinal, não se deveria ser motivo de discussão com um líder a nossa vida pessoal ou características que temos, mas, sim, aquilo que diz respeito às habilidades, competências e maneiras de fazer um bom trabalho, bem como suas entregas e se proporciona ou não bons resultados à empresa.

Tente manifestar, acima de tudo, o seu interesse na melhora de relação, com humildade, mas também assertividade, mostrando que quer estabelecer diálogo e manter uma relação amigável, resolvendo tudo definitivamente e, para o futuro, alinhando tudo logo que algo novamente acontecer, deixando às claras as situações, sem acumular problemas.

E, acima de tudo, pense o que pode aprender com essa situação para usar, em momentos, futuros, as habilidades desenvolvidas.

Porém, vale aqui se perguntar: eu desejo mesmo permanecer nesse ambiente ou ainda, devo buscar uma empresa em que possa estar mais em paz? Porém, que isso não seja uma fuga da resolução dessa situação, se você entender que ainda tem como resolvê-la.

Seguem erros comuns em uma conversa/negociação que devem ser evitados para que você seja bem-sucedida nessa empreitada:

  • Insistir numa mesma posição, mostrando inflexibilidade;
  • Perder o controle;
  • Prender-se a detalhes e esquecer o todo;
  • Evitar o conflito, em vez de o administrar;
  • Usar a emoção ao invés da razão;
  • Assumir uma postura defensiva;
  • Falar mais do que ouvir;
  • Não se colocar na posição do outro.

Sucesso!

_______________

Luciane Vecchio
Psicóloga Clínica | Consultora | Mentora | Colunista | Especialista em Desenvolvimento Humano, RH, Empreendedorismo, Carreira e Liderança | Atendimento a Executivos | Revisão de CV e Perfil Campeão LinkedIn
CRP: 06/74914

Luciane Vecchio

Autor: Luciane Vecchio

Psicóloga Clínica, Master Coach, Consultora de Carreira, Especialista em RH, Orientadora Vocacional, Colunista de Carreira & Comportamento. CRP: 06/74914

[email protected]