Fui designada para uma nova função, mas não me sinto capaz. O que faço?

E-mail enviado por uma leitora:

“Meu chefe me convidou para uma nova função, inclusive melhora o meu salário, mas não me sinto à altura. Devo dizer isso a ele ou devo aceitar?”

Resposta: Entendo a sua insegurança, mas, se o líder da sua equipe acredita que você tenha competências técnicas e comportamentais para ocupar tal posição, por qual motivo você pensa o contrário?

Claro que você tem todo o direito de duvidar dessa escolha, mas, acredito que no seu ambiente profissional os liderados sejam acompanhados, treinados e desenvolvidos pelos líderes, recebendo feedbacks sobre sua evolução.

Se esse é o caso, é muito mais fácil saber em qual ponto da carreira você está, pontos fortes e a desenvolver, bem como suas principais habilidades.

Se esse não é o caso, acredito que você possa sugerir uma conversa franca com seu líder, perguntando a ele quais os motivos desse convite. Peça que ele descreva o que o motivou a essa decisão e se coloque à disposição para aprender e compreender mais da posição, do negócio e das exigências desse novo cargo Faça uma lista, descreva necessidades e possibilidades.

Busque apoio

Sugiro ainda que seja feito um plano de desenvolvimento e que você possa ser acompanhada nessa evolução. Há outras pessoas que podem lhe apoiar nessa trajetória? Há outras áreas e pontos focais que podem contribuir para o sucesso dessa missão? Há colegas com os quais você possa contar?

Vale também pode buscar pessoas que estejam em funções semelhantes em outras empresas, fazendo benchmarking e trocando ideias, perguntando sobre os desafios, como se desenvolveram, buscaram conhecimento e enfrentaram a nova posição. Use e abuse do networking, estabeleça parcerias e faça alianças com pessoas estratégicas.

Processos de coaching com foco no aumento de performance podem te ajudar bastante a desmistificar algumas coisas, deixar cair por terra crenças que estejam te limitando, bem como realizar um planejamento para ter sucesso nessa empreitada.

Busque também por mentores que possam lhe acompanhar nesse processo, pessoas que tenham sólida experiência na área e função e que conseguirão indicar caminhos.

Autossabotagem e medo ilusório

Por fim, pense se não está sabotando a si mesma, acreditando que não tem competência para ocupar uma posição que, na verdade, tem. Afinal, foi visto esse potencial em você pelo seu líder, que é quem mais lhe acompanha de perto. Será que você não está criando um monstro maior do que ele é de verdade?

Se ainda assim acreditar que não é possível ocupar esta posição no momento, converse com o seu líder, entenda o que é necessário ser feito e, se tiver real interesse, peça que seja feito um plano de desenvolvimento para que você possa ocupar em tempo futuro essa posição.

Verdade interior

O mais importante é ser sincera consigo e com seus valores, pensando nos prós e contras do convite: ele está alinhado às suas expectativas de carreira? O que lhe trará e aonde você pretende chegar? O que depende de você e em quem pode se apoiar?

Toda novidade dá um frio na barriga, mas acredito que se fizer uma viagem ao passado, você enfrentou outros desafios e conquistou posições e experiências diferenciadas, sempre alcançando sucesso. Dessa vez, o que seria diferente? Use a mesma garra e energia que utilizou em momentos anteriores para poder abraçar essa nova posição. Saiba extrair o máximo dos seus pontos fortes para se sair bem nesse desafio.

Atenção!
Esta texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um psicólogo e não se caracteriza como sendo um atendimento

_____________________

Luciane Vecchio

Psicóloga Clínica, Master Coach, Consultora de Carreira, Especialista em RH, Orientadora Vocacional, Colunista de Carreira & Comportamento

CRP: 06/74914

Luciane Vecchio

Autor: Luciane Vecchio

Psicóloga Clínica, Master Coach, Consultora de Carreira, Especialista em RH, Orientadora Vocacional, Colunista de Carreira & Comportamento. CRP: 06/74914

[email protected]