Sair da zona de conforto virou clichê?

E-mail enviado por uma leitora: Falar em sair da "zona de conforto", principalmente na condução da vida profissional, tornou-se um mantra, um clichê. Pergunto então se haveria um limite saudável para se impor desafios na vida profissional? Como enxergar essa tênue fronteira, para que isso não traga justamente um efeito oposto, um enorme "zona de desconforto" com cobranças sem fim.

Resposta:            

Juro, tentei não usar essa palavra hoje em uma resposta! Mas, eu a utilizo pelo menos 2 vezes ao dia: autoconhecimento! Somente sabemos nossos limites, os encaramos e compreendemos por quais motivos tomamos determinadas decisões e fazemos certas escolhas, se sabemos de fato um pouco mais de nós do que a superfície. Ou seja, se aprofundamos nosso saber sobre nós mesmos sem medo, com coragem, enfrentando nossas sombras e luzes.

Uma estudiosa da Neuroaprendizagem de que gosto muito, falou uma vez sobre essa questão da zona de conforto e nunca vou me esquecer! Ela comentou sobre o excesso na fala sobre todos terem que seguir o mesmo padrão. Na opinião dela, zona de conforto não é algo ruim, pois, é ali onde somos mais produtivos, sabemos nossas qualidades, temos os melhores resultados. Ela dizia ainda que sair ou não da tal zona é uma escolha individual. É a opinião dela baseada em anos de ciência e prática!

Claro que para avançarmos, inovarmos, conquistarmos sonhos e metas, temos que nos arriscar e até mesmo abrir mão de algum conforto. Nesse local ficamos bem aconchegados, mas, muitas vezes, deixamos também de aprender. Muitos, afinal, usam a desculpa de que está tudo bem para não atravessar a ponte!

A questão é o limite das coisas X nossos limites. Até onde queremos ir na busca pela inovação e o preço que queremos pagar por isso. Muitos não desejam realmente, por exemplo, alçar um cargo de liderança; outros não desejam mudar a forma como fazem as coisas, como se relacionam. Alguns acreditam que o ponto ao qual atingiram é suficiente! E tudo bem, precisamos aprender a respeitar diferentes perfis e personalidades.

Te pergunto então: você sabe em quais pontos de sua vida profissional há real necessidade de sair da tal zona de conforto e ampliar os caminhos? Você consegue descrever, de maneira honesta consigo mesma, quais aspectos te agradam menos? Consegue listar aquilo que está bom, até mesmo para melhorar? Sabe determinar quais pontos pode melhorar e que te levariam mais longe, perto dos seus objetivos de carreira?

Mais importante do que ir na onda de todo mundo, é ir rumo ao que você realmente deseja em sua vida e ao encontro das mudanças que deseja produzir.

A cobrança fica a seu critério, não dos demais. As rédeas de sua vida estão nas suas mãos, não da empresa, do líder.

A questão mais preocupante nessa situação é que as pessoas vivem reclamando, insatisfeitas e infelizes justamente por não terem coragem de sair do conforto, do conhecido, daquilo que já é comum.

Conheço pessoas que estão realmente felizes com vidas e escolhas, porém, o meu dia a dia mostra que a maior parte está infeliz e o pior, também não abre mão do conforto para ir mais longe!

Faça suas escolhas com coragem e siga em frente!

Sucesso!

_____________________

Luciane Vecchio
Psicóloga Clínica, Master Coach, Especialista em RH, Carreira, Liderança, Executive & Life Coaching, Colunista de Carreira & Comportamento
CRP: 06/74914

Luciane Vecchio

Autor: Luciane Vecchio

Psicóloga Clínica, Master Coach, Consultora de Carreira, Especialista em RH, Orientadora Vocacional, Colunista de Carreira & Comportamento. CRP: 06/74914

[email protected]